segunda-feira, 27 de setembro de 2021

527. A Felicidade

 Kant e Hegel ensinaram que EU VIVO O MUNDO QUE EXISTE EM MINHA MENTE. Existe o mundo do interior da casa da vizinha. Esse mundo, eu não vivo. Existe o mundo do mulçumano que mora no Mali. Esse mundo, eu não vivo. Existe o mundo do interior da minha mente. Esse mundo, você não vive. 

Eles ensinaram outra coisa tão importante, quanto essa. A MINHA MENTE CONSTROI O SEU MUNDO. Vou com minha amiga andar por Copacabana e na esquina da rua Santa Clara (ah! Como é gostoso, como sou feliz em recordar o passeio que dei com minha amiga pela Rua Santa Clara, há poucos anos atrás, quando ela aqui esteve!) com Av. Copacabana deparamos com um atropelamento. E eu digo: a culpa foi do motorista. E ela discorda: não, amigo, a culpa foi do pedestre. O que aconteceu: ela construiu a realidade dela e eu construí a minha realidade! Isso é a fonte dos debates, das discussões, das desavenças, das brigas, das ameaças, dos assassinatos, das guerras... 

A realidade é uma só. Mas, cada pessoa forma na sua MENTE A SUA REALIDADE! A Mente não é apenas a cabeça. A Mente é o corpo todo, dos pés à cabeça. É a sensação, é a emoção, é o sentimento, é a paixão, é o interesse, é a atenção, é o sangue, é a pressão do sangue, é a composição do sangue no momento, são os hormônios, são os órgãos de cada pessoa, é o grau de instrução, a formação, a educação, a experiência, a história de vida, as circunstâncias de vida de cada pessoa. Assim, a realidade é uma só. Mas, a REALIDADE VIVIDA É TANTAS QUANTAS SÃO AS PESSOAS QUE EXISTEM! 

Conclusão: cada um é responsável pela VIDA QUE VIVE; cada um é responsável pela SUA SORTE. CADA UM É RESPONSÁVEL POR SER OU NÃO SER FELIZ. 

Estou-lhe dizendo que CADA UM CONSTROI SUA FELICIDADE. 

Para mim a FELICIDADE É UMA FORMA DE SENTIR E VIVER A VIDA. Veja o faquir indiano: ele quer viver deitado em uma cama de pontas de faca!! Por que? Por que se sente infeliz? Alguém me retorquirá: não, mas porque é louco. Pode até ser que seja louco. Que seja anormal, concordo. Mas, que certamente não é infeliz, eu tenho certeza, pois, se fosse infeliz, ele não suportaria essa situação. 

É, por isso, que para mim, Virgílio, o maior poeta latino, que teve a felicidade de poder viver numa vila numa das colinas da cidade de Roma, sem ter que trabalhar, porque era sustentado pelos ricaços da cidade que adoravam a companhia dele e ouvi-lo recitar os lindos poemas, achava que “Feliz é a pessoa que compreende a VIDA e controla todas as suas angústias, o inevitável destino e a tragédia da morte.” 

Cada um tem a sua própria história – E eu sou eu mesmo e minhas circunstâncias!, afirmou Ortega y Gasset. A Vida é MUITO MAIS QUE CADA UM DE NÓS. 

Você ainda é a menina apaixonada. Ele não é mais o rapaz apaixonado por você. Essa é a SUA CIRCUNSTÂNCIA. 

Ou você ENTENDE ISSO, DOMINA ESSA ANGÚSTIA, CURVA-SE A ESSE INEVITÁVEL DESTINO E SERÁ FELIZ, ou você não entende a Vida, não domina essa angústia, continua inconformada com o INEVITÁVEL e será INFELIZ. 

Para ser feliz não se precisa de muita coisa, basta ajustar a MENTE e adotar a FORMA EXATA DE SENTIR E VIVER A VIDA. 

Vocês se apaixonaram. Viveram momentos maravilhosos. Brigaram muito. Você brigava, mas achava que ele sempre permaneceria a seu lado e isso a fazia feliz. Isso era e é sua felicidade: viver sempre ao lado dele. Para ele, as coisas são diferentes: para ele ser feliz é ter uma vida sem dificuldades financeiras e de certo luxo. 

São duas concepções de FELICIDADE QUE NÃO SE JUNTAM DE FORMA ALGUMA. 

Minha amiga, decida-se. Trate de ser feliz. E já. MUDE, e já, A SUA FORMA DE SENTIR E VIVER A VIDA. 

Você nem perdeu nem ganhou nada. Você viveu. E, de agora para a frente, trate de continuar vivendo, e vivendo feliz. Adote a FORMA EXATA DE SENTIR E VIVER A SUA VIDA.

12 comentários:

  1. A Vale é, na expressão do presidente da Previ, a cereja do bolo. Pois ela caiu de 120 para 75 reais a ação. Um tombo espetacular, baseado no preço do minério de ferro que desmoronou. [...] (colamos no blog do Dr. medeiros)

    - Dr. Medeiros, colegas de chat,

    Nossa abordagem é diferente. A nosso ver, as ações da Vale caíram para o preço acima mencionado e se acomodaram neste novo patamar. Isto significa que deve continuar a queda!

    Neste sentido, sustentamos no Anexo "7" do "bolsafurada.blogspot.com" que o valor atual dos títulos de Vale é Zero. Adicionalmente, nos anexos "3" e "4" demonstramos que o "moderno capitalismo bursátil" equipara-se a uma pirâmide financeira, mesmo a uma conspiração. No Anexo "8" sustentamos que o "moderno capitalismo bursátil tende a deixar de existir. Na segunda parte do presente trabalho iremos apontar vários indícios de que o "moderno capitalismo bursátil" equipara-se a uma conspiração.

    Por fim, mas não menos importante, gostaríamos de relembrar certo aforismo de autoria do grande Trader norte-americano, Warren Buffett:

    Price is what you pay; value is what you get.

    Trader anônimo

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Anexo “8”
    [...] [...] [...]
    Negativo, prezado Trader
    anônimo. Ninguém aqui esta
    dormindo. Sabemos muito bem
    que a Bolsa de Valores é
    semelhante a uma gangorra, ora
    para cima, ora para baixo. É
    preciso esperar que nossos
    títulos voltem a subir para efetivar
    qualquer venda de ativo. Vender
    agora é efetivar prejuízo. Quanto
    entramos na negociação já
    sabíamos dos riscos que
    corríamos. E bom cabrito não
    berra; espera a sua vez... [...] [...]
    [...]
    ass: O Piramidal [...] [...] [...]
    27 de setembro de 2021 16:01[...]
    [...] [...] (blog do Dr. Medeiros) [...]
    [...] [...]
    - Dr. Medeiros, colegas de blog,
    [...] [...] [...]
    Permitam-nos contestar a
    hipótese apresentada pelo
    anônimo acima. [...] [...] [...]
    Neste sentido, encontramos no
    Anexo “7” publicado em
    08/10/2021 do
    “bolsafurada.blogspot.com” o
    seguinte fragmento de texto: [...]
    [...] [...]
    [...] a literatura técnica sustenta
    que “dois tipos de probabilidade
    são habitualmente distinguidos:
    probabilidades objetivas, que são
    calculáveis à priori, e
    probabilidades subjetivas, que
    devem ser calculadas com base
    nas crenças individuais.” (18) [...]
    [...] [...] Entretanto, parece-nos
    cristalino que tanto a conclusão
    acima, quanto a conclusão da
    “Análise Vale1”, bem como a
    conclusão da “Análise Vale2”,
    enquadram-se no conceito de
    probabilidades objetivas.
    Portanto, são probabilidades
    conhecidas “à priori”, conforme
    podemos constatar por meio da
    leitura e interpretação dos
    fragmentos de texto que
    antecedem tal conclusão. Assim,
    após tais conclusões e de outras
    dispersas ao longo do presente
    trabalho parece-nos que a
    manutenção em carteira de títulos
    de Vale, mormente de forma
    contínua, é uma prática arriscada
    e que pode trazer conseqüências
    bem negativas para os titulares
    de tais títulos. [...] [...] [...]
    Assim, conforme sustentamos no
    Anexo “7” do
    “bolsafurada.blogspot.com” o
    “valor intrínseco” dos títulos de
    Vale atualmente (Agosto / 2021) é
    0 (zero). Entretanto, esta não é
    uma boa notícia para os
    aplicadores financeiros que
    mantêm em carteira tais títulos,
    mormente de forma permanente.
    [...] [...] [...]
    (continua no Anexo “8” do
    “bolsafurada.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. - Dr. Edgardo, colegas de chat,

    Permitam-nos continuar nossa
    sustentação de ontem:

    [...] Não obstante, parece-nos
    lícito questionarmos: por que se o
    valor intrínseco de Vale é 0 (Zero)
    / ação o preço de mercado desta
    ação é de R$ 80 /ação,
    atualmente (08/10/2021)?

    [...] [...]
    [...]

    - Elementar meu caro WATSON:
    [...] [...] [...]

    “preço é o que você paga; valor é
    o que você obtém” [...] [...] [...]

    Neste sentido, o “moderno capitalismo
    bursátil” se equipara a uma entidade
    social hierárquica e/ou um oligopólio.
    No intuito de sustentarmos que o
    moderno capitalismo bursátil se
    equipara a uma entidade social
    hierárquica encontramos na literatura
    técnica o seguinte fragmento de texto:

    [...] [...] [...]
    [...] Mesmo que o valor fundamental e
    o preço de mercado se refiram a
    coisas diferentes, é mesmo tentador
    compará-los na medida em que
    ambos são avaliações de um mesmo
    ativo. A este respeito, a observação
    empírica demonstra inequivocamente
    que as estimativas pessoais tendem a
    se adaptar aos movimentos dos
    preços. [...] Este é um fato importante,
    pois mostra que o mercado é
    instituição social hierárquica, não uma
    mera justaposição de agentes que
    negociam uns com os outros com
    base em idéias e desejos formados
    sem qualquer referência ao que
    acontece no mercado. (18)

    [...] [...] [...]

    Prosseguindo em nossa abordagem,
    uma importante recuperação
    secundária teve por seu momento
    inicial o mês de Fevereiro / 2016,
    tanto para os títulos de Petrobras
    quanto para os títulos de Vale.
    Coincidência, ou não, tal recuperação
    sugere-nos que o moderno
    capitalismo bursátil se equipara a um
    oligopólio, conforme sustentamos no
    subitem anterior. [...] [...] [...]

    Neste sentido, a seguir iremos
    apresentar três indícios de que o
    hodierno capitalismo bursátil brasileiro
    se equipara a um oligopólio. Em
    primeiro lugar, permite-nos sustentar
    que o hodierno capitalismo bursátil
    brasileiro se equipara a um oligopólio
    a leitura dos seguintes fragmentos de
    texto encontrados na Internet: [...] [...]
    [...]

    https://www.moneytimes.com.br/camacolhe-
    pedido-da-petrobras-edissolve-
    tribunal-de-acao-de-petros-eprevi/[...]
    [...] [...]

    https://www.cut.org.br/noticias/opreco-
    do-golpe-petrobras-paga-r-10-
    bilhoes-a-acionistas-norteamericanos-
    151f/*[...] [...] [...]

    *Contribuição do colega Miro
    [...] [...] [...]

    Assim, por meio da leitura e
    interpretação dos dois sítios de
    Internet, acima mencionados,
    tomamos conhecimento que distintos
    aplicadores financeiros obtiveram
    diferentes resultados em tribunais do
    Brasil e dos EUA, respectivamente.
    Em outros termos, não nos parece
    equivocado dizer: existem duas castas
    de aplicadores financeiros no
    moderno capitalismo bursátil: os de
    dentro do oligopólio; e os de fora
    deste. [...] [...] [...]

    ResponderExcluir
  7. Dr. Edgardo, colegas de chat,

    Permitam-nos terminar nossa
    sustentação de ontem: (Anexo "8" do bolsafurada.blogspot.com)

    Em segundo lugar, sugere-nos que o
    moderno capitalismo bursátil brasileiro
    se equipara a um oligopólio o
    surgimento de longos períodos de alta
    e baixa, respectivamente, que podem
    ser visualizados nos gráficos de certos
    títulos bursáteis listados na Bolsa de
    Valores brasileira. O surgimento de
    longos períodos de baixa e alta
    sugere-nos que uma manipulação de
    longo prazo esteve por trás da
    evolução dos preços dos
    mencionados títulos bursáteis.
    Neste sentido, a simples visualização dos
    gráficos “9” e “10”, antes
    disponibilizados no presente subitem,
    permite-nos comprovar tal afirmação.
    Neste sentido, vimos no Gráfico “10”
    que o preço de mercado dos títulos de
    Vale encolheu 92% em dólares
    norte-americanos no período
    compreendido entre Jan / 2011 e Fev /
    2016. [...] [...] [...]

    Similarmente, podemos ver no Gráfico
    “9” que o preço de mercado dos títulos
    de Petrobras encolheu
    aproximadamente 90% em dólares
    norte-americanos no período
    compreendido entre Jan / 2010 e Fev /
    2016. [...] [...] [...]

    Em terceiro lugar, sugere-nos que o
    moderno capitalismo bursátil brasileiro
    se equipara a um oligopólio certa
    constatação a que chegamos no
    presente subitem: o fato dos títulos de
    Petrobras e Vale terem tido
    valorizações desproporcionais, que
    ultrapassaram em mais de 12 (doze)
    vezes a valorização média dos demais
    títulos da composição do índice
    Ibovespa, num período de pelo menos
    16 (dezesseis) anos, conforme antes
    sustentamos. Assim, iremos
    demonstrar no próximo subitem que
    tais valorizações desproporcionais
    beneficiam os detentores das ações
    por meio de um misto de informações
    privilegiadas e do uso de derivativos.
    Em síntese, podemos dizer que de
    maneira semelhante ao de um
    oligopólio no qual o preço de mercado
    não guarda nenhuma proporção com
    o custo de produção, igualmente no
    moderno capitalismo bursátil brasileiro
    o preço de mercado dos títulos de
    Petrobras e Vale não guarda
    nenhuma correspondência com o
    valor fundamental.

    [...] [...] [...]
    Em um mercado de commodities não-concorrencial,
    onde um poder
    oligopolista é exercido, como o do
    petróleo com a OPEP, o fundamento
    existe, mas não é o custo de
    produção. É o preço que maximiza a
    receita de longo prazo do oligopólio.
    (34) [...] [...] [...]

    Assim, o que maximiza a receita de
    longo prazo dos oligopolistas dos
    títulos de Vale e Petrobras são as
    mais-valias (ganhos financeiros)obtidas pelos oligopolistas
    dos mercados dos títulos de Petrobras
    e Vale. [...] [...] [...]

    ResponderExcluir
  8. Pensionista Rosalina de Souza, colegas de blog,

    Publicamos recentemente no "bolsafurada.blogspot.com" anexos "5", "6", "7" e "8". Nos anexos "5" e "6" sustentamos que o moderno capitalismo bursatil se equipara a uma pirâmide financeira. Portanto, a Bolsa de Valores é uma instituição social que tende a deixar de existir. No Anexo "7" sustentamos que o valor intrínseco dos títulos de Petrobras atualmente é zero. No Anexo "8" sustentamos que o moderno capitalismo bursátil equipara-se a um tipo de oferta não-concorrencial com poder oligopolístico. Portanto, quanto + tempo os associados do Previ manterem em carteira títulos de Vale e Petrobras mais riquezas vão transferir para determinado capital financeiro.

    Trader anônimo

    ResponderExcluir
  9. Dr. Edgardo , colegas de blog,

    Publicamos recentemente no "bolsafurada.blogspot.com" os anexos "5", "6", "7" e "8". Nos anexos "5" e "6" sustentamos que o moderno capitalismo bursatil se equipara a uma pirâmide financeira. Portanto, a Bolsa de Valores é uma instituição social que tende a deixar de existir. Neste sentido, toda pirâmide financeira tem um tempo de vida limitado.
    No Anexo "7" sustentamos que o valor intrínseco dos títulos de Petrobras e Vale atualmente (Agosto 2021) é zero. No Anexo "8" sustentamos que o moderno capitalismo bursátil equipara-se a um tipo de oferta não-concorrencial com poder oligopolístico. Tal observação, equipara-se a última peça na montagem de um enorme  quebra-cabeças. Iremos demonstrar, na segunda parte do presente trabalho, que quanto + tempo os associados do Previ mantiverem em carteira títulos de Vale e Petrobras mais riquezas  serão transferidas para determinado capital financeiro.

    Trader anônimo

    ResponderExcluir
  10. Aristophanes15 de outubro de 2021 14:07

    Prezados colegas do blog do Medeiros. (blog do Dr. Medeiros)

    [...] A bandeira da alegria, sempre içada pela Previ, para levantar o ânimo de seus pouco mais de 100.000 aposentados e pensionistas do Plano1(os ativos são um resíduo em extinção) é a declaração de que sua missão é “pagar, em dia, os benefícios da aposentadoria aos seus participantes e assistidos.” E assim ela acha que está tudo certo e resolvido. O que esse anúncio deforma e não diz é que os benefícios não são integrais, porque ela se apropria de 4,8% deles e que, em meio à permanente inflação que corrói o poder de compra das pessoas, a cada mês, seus os benefícios são diminuídos, empobrecendo continuamente os seus aposentados e pensionistas.

    - Dr. Aristophanes, colegas de blog,

    Parece-nos oportuno o seguinte comentário / alerta:

    [...] a declaração de que sua missão é “pagar, em dia, os benefícios da aposentadoria aos seus participantes e assistidos, realmente é o foco principal. Entretanto, o gasto com o pagamento de aposentadorias e pensões  do PREVI ultrapassa R$ 15 bi / ano atualmente. Neste sentido, perguntamos: as reservas técnicas do PREVI suportam quantos anos de tal nível de dispendio anual?

    Na melhor das hipóteses,  ao fazermos algumas operações de multiplicação e divisão concluímos que o número de anos que o PREVI suporta tal nível de dispendio  é menor que a soma dos dedos de duas mãos.

    Adicionalmente, parece-nos oportuno observarmos que o grosso das reservas técnicas do PREVI em renda  variável estão  concentrados em títulos que são apenas matéria prima para trades, como demonstramos no Anexo "7" do "bolsafurada.blogspot.com".


    Trader anônimo

    ResponderExcluir
  11. glaucia sena 16 de outubro de 2021 17:14 (blog do Dr. Medeiros)

    [...] e a respeito do colega que comentou do filme REI ARTHUR já assisti por isso que eu disse ironia por que no filme existe os dois lados ,os Reis os Bobos da corte ,somos tratados como os bobos que só pagamos para eles salários exorbitantes e não temos direito se quer de reivindicar uma ajuda para nós tirar desse sufoco [...] não sei o que fazer e nem dizem para resolver nossa situação [...]

    - glaucia sena, colegas de chat ,

    A colega está sendo injusta comigo. Neste sentido, nós sabemos o que fazer e dissemos, conforme o seguinte fragmento de texto:

    (1) TENDÊNCIA IRREVERSÍVEL de BAIXA da BOLSA BRASILEIRA16 de outubro de 2021 13:06

    [...]

    Adicionalmente, parece-nos oportuno observarmos que o grosso das reservas técnicas do PREVI em renda  variável estão  concentrados em títulos que são apenas matéria prima para trades, como demonstramos no Anexo "7" do "bolsafurada.blogspot.com".


    (2) Realmente, os colegas parecem ser os bobos da corte. Neste sentido, o seguinte fragmento de texto encontrado na Internet:

    [...] Perhaps someone will take the lowly rated paper from you at a good price. You might be lucky. But bear in mind the gambler’s advice: if you don’t know who is the patsy in the room, it’s you. (KAY, John. Paradox plays a part in a modern fable of economics; (Financial Times, 31 July 2007)


    P.S.: portanto, tentem ler e entender o Anexo "7" do "bolsafurada.blogspot.com".

    ResponderExcluir