quarta-feira, 5 de maio de 2021

524. A Disputa pela Hegemonia Econômica Mundial.

             O plano econômico de Joe Biden para os USA: 3 trilhões de dólares em investimento, metade em infraestrutura e metade na área social.

Os USA entrarão em ritmo de progresso igual ao da China?!   

 A ciência econômica ensina que a economia é um comboio que faz o trajeto pendular entre as estações população e empresas. Aqui compram-se os fatores produtivos e lá os bens de subsistência. Quanto mais produtiva uma nação, mais rica ela é e mais confortável a vida da população.

O comboio é puxado pela locomotiva do consumo da população. A locomotiva é movida pela energia do investimento das empresas.

Os USA tem mediana população com formidável poder de consumo. A China, o contrário.

 Os USA precisam de mercado externo. A China tem mercado interno e externo, este principalmente os USA, além de ampla possibilidade de expandir o mercado interno. OS USA precisam do mercado da América Latina, África e Oceania.

A luta econômica USA e China recrudescerá. A China tem a vantagem da mão-de-obra barata. Os USA tem vantagem do petróleo barato e da liderança tecnológica.

A força de empuxo da locomotiva dos USA conseguirá manter-se por longo prazo? Muitos bens de consumo são de duração média e longa. Não nutrem a permanência do empuxo econômico.

No longo prazo, a locomotiva norte-americana me parece sofrer mais resistência que a chinesa, enquanto no curto prazo a dificuldade da China é maior, porque logo os USA se estarão abastecendo internamente de bens de consumo mais barato do que os ofertados pela China e provavelmente de qualidade superior.

quinta-feira, 15 de abril de 2021

523. As Três Datas Magnas da História

 

            A História da Civilização apresenta três datas magnas.           

A primeira é a própria data inicial da História, entre três mil e dez mil anos antes de Cristo, quando o .Homem começou a viver em grandes aglomerações organizadas, as cidades, e inventou a escrita. O nível de vida ainda era então extremamente precário, e tanto que os sábios gregos preferiam a morte à vida, não nascer a viver. 

A segunda data magna é o ano do nascimento de Jesus Cristo, o ano zero do calendário mundial. Jesus Cristo é o homem que Paulo de Tarso divinizou e que o imperador Constantino, poucos séculos depois, erigiu a deus único do Império Romano, o império universal do mundo então conhecido. O nível de vida continuava bem baixo ainda. Tanto assim que o cristianismo entende que existem duas vidas, a vida terrena transitória e a vida celeste eterna. A vida terrena é época de provação e passageira. A vida celeste é eterna e definitiva. A vida terrestre é vida de provação, onde cada indivíduo humano deve viver segundo as normas de vida impostas por Deus. Os que as observarem irão, através da morte, para a vida celeste perpétua, gozar da companhia de Jesus Cristo, a perfeição infinita, a felicidade eterna. Os que não observarem  as normas divinas de vida humana não serão admitidos na companhia de deus, Jesus Cristo, depois da morte; ficarão privados eternamente de sua companhia, serão perpétua e infernalmente infelizes. Nada obstante tudo isso, o ingresso no céu não é efeito da vontade, do trabalho, do esforço individual humano. É uma graça divina, uma dádiva divina plenamente gratuita, à qual nenhum indivíduo humano tem o menor direito, o menor merecimento. Muitos são chamados e poucos os escolhidos. 

A vida terrestre, pois, segundo o pensamento da segunda fase da História, é época de provação, não época de felicidade. A felicidade está na vida celeste, após a morte, é um prêmio, uma dádiva de Jesus Cristo, e somente para poucos, os escolhidos, os amados de Deus, Jesus Cristo, um presente inteiramente gratuito, que ele dá a quem ele livremente quer dar e escolhe. 

A terceira data magna é o final do século XVIII, mil e oitocentos anos depois de Jesus Cristo, época da Revolução Francesa, da invenção do país sem rei, do país do povo, da Revolução industrial e do Iluminismo, isto é, só tenho certeza de que existe o que constato aqui e agora, e tudo que constato aqui e agora já é uma construção mental pessoal e somente minha. Na minha opinião, o filósofo, que melhor explicou essa época e esse Homem, foi José Ortega Y Gasset, naquela expressão famosa: “Eu sou eu e minhas circunstâncias.” Eu sou meu DNA e minhas circunstâncias todas de vida, materiais e sociais.  Eu sou o momento presente, as coisas que me rodeiam e que  eu não as conheço em si mesmas, apenas conheço na imagem interior, mental, que delas formam as faculdades mentais que possuo. A Razão é a mais perfeita dessas faculdades, cuja luz deve guiar o indivíduo humano, que é a referência de toda a realidade existente. O Homem é o mais importante ser sobre o planeta Terra, ser racional e livre, e a felicidade é um  momento presente, quando tudo no interior e no exterior do indivíduo humano se acha em consonância com o seu ser. A felicidade é o momento presente de existência, a vida mental do indivíduo humano em que o meu ser e o mundo em seu redor se acham em harmonia. Ela é em parte fabricação do próprio indivíduo. A felicidade é qualidade desta vida terrena passageira, fugaz. A felicidade é resultado das minhas decisões assim como das circunstâncias de minha vida terrena. A felicidade é acontecimento existencial pessoal da vida de um indivíduo humano na sua vida terrena, a única de cuja existência no momento presente se tem certeza que existe. E só tenho certeza de minha existência agora, neste instante que já passou!!!

 Entendo, pois, o que quis dizer Fernando Henrique Cardoso quando ouviu a máxima de Governo de Bolsonaro (“Pátria acima de todos. Deus acima de tudo.”): “Atraso.” Bolsonaro estava regredindo o Brasil para a época do cristianismo paulino, de Constantino e Jesus Cristo. O Brasil estava regredindo do Iluminismo para a época de Jesus Cristo, mil e oitocentos anos!

  

segunda-feira, 12 de abril de 2021

522. O Problema Atual do Brasil

    O Brasil não é para o governo social democrático Joe Biden o grande aliado norte-americano. na América do Sul. Tomaram-lhe a posição Colômbia, Argentina e Uruguai. 

    USA e França nunca perdoaram o Brasil ter-se tornado a maior potência agrícola mundial. Não admitem que dê o passo seguinte, tornar-se grande potência industrial. 

    O Brasil precisa concluir sua marcha plena para o o Oeste, afim de tornar-se grande potência industrial. Os USA querem que o Brasil se contente com a agricultura, enquanto eles mais avançam na industrialização. Continuaremos recebendo as progressivas migalhas da industrialização que se permitirem nos liberar. 

    Os USA tornaram-se a grande potência mundial marchando para o Oeste, agregando territórios franceses e até numa guerra de conquista contra o México.

    A França tem uma província na América do Sul, a antiga Guiana Francesa, tranquila porta de entrada na Amazônia para os marines norte-americanos. 

    Esse é o grande problema do atual momento do desenvolvimento brasileiro., na minha opinião.


domingo, 20 de dezembro de 2020

521. Lei Escrita

    Obrigam-nos a estudar História, quando adolescentes. Na minha adolescência estudava-se a História do Brasil e a História Universal ou História das Civilizações. Civilização é a sociedade urbana, etimologicamente. A sociedade dos cidadãos, segundo os gregos. O cidadão, segundo os gregos, é quem não é súdito, quem não tem dono nem rei. A civilização é a sociedade dos politicamente iguais: todos mandam e todos obedecem. Todos votam e todos são votados. Todos fazem a Lei e todos só obedecem à Lei. E, por isso, para os gregos, a civilização era uma sociedade autônoma, autogovernada, uma sociedade democrática. E, por isso, a Lei precisava ser Lei Escrita. A Lei escrita seria uma Lei imutável, a Lei de todos e para todos, a norma imutável conhecida por todos e governando a todos.

    Esse fato está lá registrado em todos os livros da História das Civilizações, porque ele é considerado um dos momentos em que a Humanidade deu um passo a frente no processo civilizatório. Foi um momento revolucionário na História do Homem Civilizado, quando Dracon estabeleceu que em Atenas a Lei precisava ser escrita. Isso há quase dois mil e setecentos anos. A Lei escrita é de um valor inestimável para a sociedade, e tanto que precisa ser conhecido esse fato por todos os adolescentes no mundo hoje, para que eles a considerem um valor social fundamental e também para que todos nós nos civilizemos

domingo, 15 de novembro de 2020

520. 15 de novembro de 2020, Dia de Eleições Estaduais e Municipais.

    Atualmente no Brasil comemora-se esse evento, como dia da comprovação da liberdade do povo, o dia da igualdade, quando todo cidadão tem o poder político de um voto. Ninguém é maior que outro. Ninguém é rei. Inexistem senhor e servo. Inexistem patrício, plebeu e escravo. Só existe o cidadão. Isso é a democracia. E a movimentação dos eleitores nas vias públicas das cidades   constitui a festa da democracia, a comemoração fática da liberdade e da igualdade. Mas, o filósofo da democracia, Jean Jacques Rousseau pensava que o cidadão só é realmente livre no momento de votar. E Winston Churchill, o grande vulto político inglês do século XX, emitiu aquele famoso conceito sobre o regime democrático: “Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos.” A democracia, especialmente a brasileira, ainda tem vasto trajeto de aperfeiçoamento para percorrer.

sábado, 14 de novembro de 2020

519. O Ensino do Idioma Pátrio

Estuda-se o idioma pátrio para expressar-se com clareza, exatidão, harmonia, elegância e segundo as expressões tradicionais da linguagem comum da comunidade nacional, que foram produzidas de forma esplendorosa pelos grandes escritores e oradores pátrios.   Acontece que o Mundo atual se universalizou e progrediu rapidamente, criando uma sociedade universalizada, cuja realidade transborda os limites do passado a cada pequeno transcurso do tempo.  Um conceituado e tradicional estabelecimento de educação e ensino sente-se pressionado por essa realidade e está propondo o debate sobre a adaptação da linguagem a esse fenômeno social contemporâneo. Assim decidiu substituir “a expressão “queridos alunos” por “querides alunes”, por exemplo, passa a incluir múltiplas identidades sob a marcação de gênero em “e”. Alternativas como “queridos alunos e queridas alunas”, igualmente, mostram-se viáveis ao evitar a representação de todos os gêneros exclusivamente pelo masculino.” No bojo desse fenômeno moderno, acha-se candente o da identidade sexual, provocando até nos documentos oficiais uma característica de identificação: Nome Social. É a realidade atual, objetiva e impositiva, conforme-se, ou não,   com ela.

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

518. “Quando a saliva acaba. explode a bala.”

     Nosso Brasil e o Mundo estão repletos de gênios. Por vezes, todavia, o planeta se apresenta deles deserto, como na ocasião em que o Presidente Jair Bolsonaro pronunciou a supracitada frase. Os políticos e a imprensa brasileira, e até o embaixador dos Estados Unidos, com intenções políticas ou crassa ignorância, reagiram a essa declaração, rotulando-a de ridícula ameaça de reação beligerante brasileira, caso os Estados Unidos, como promete Joe Biden, tente desrespeitar a soberania nacional. Bolsonaro é militar da reserva. Ele tem instrução de nível acadêmico, acentuadamente nas áreas militar e política. Maomé baixou esta lei: “Lutem em nome de Alá segundo Alá. Lutem contra aqueles que não acreditam em Alá.” Cícero: “A única desculpa para a guerra, portanto, é que vivamos ilesos em paz.” Ibn Khaldum: “Quando uma nação se torna vítima de uma derrota psicológica, isso marca o início do seu fim.” Thomas Hobbes: “Entende-se que a obrigação dos súditos com o soberano tem a mesma duração do poder mediante o qual ele é capaz de protege-los.” Georg Hegel: “ Se um homem é um escravo, sua própria vontade é responsável por sua condição... o erro da escravidão não está nos que escravizam ou conquistam, mas nos próprios escravos e conquistados. José Martí: “Direitos são feitos para serem tomados, não pedidos; agarrados, não mendigados.” Winston Churchill: “A vocês foi dada a escolha entre a guerra e a desonra. Escolheram a desonra e terão a guerra.” Mustafa Kemal Ataturk: “Só existe um poder: a soberania nacional. Só existe uma autoridade: a presença, a consciência e o coração da nação.” Mao Tsé-tung: “Sem um exército para o povo, não há nada para o  povo.” Michael Walzer: o inferno o da guerra nos faz romper todos os limites. E finalmente a expressão quase literal do pensamento do Presidente Brasileiro, escrita por Carl von Clausewitz: “A guerra é a continuação da política por outros meios.” E penso que o embaixador norte-americano, antes de contraditar o presidente brasileiro, deveria ter meditado no pensamento de notável presidente de seu país, Theoore Roosevelt: “Uma guerra justa, no longo prazo, é muito melhor para a alma do homem que a mais poderosa paz.”  

          Claro que o Presidente Bolsonaro não pretendeu fazer ameaça alguma aos Estados Unidos. Ele não é idiota. Tanto não é que conseguiu eleger-se presidente do Brasil. Ele quis apenas lembrar o ensinamento da História: a conquista ou a perda da soberania é processo que tem, via de regra, sua fase bélica que, nos tempos atuais, de arma atômica e foguetes de alcance intercontinental, é de dimensões infernais, como destaca Michael   Walzer.